Home / Sem categoria / Abono pecuniário: como funciona? Quem pode receber?

Abono pecuniário: como funciona? Quem pode receber?

Quando uma pessoa começa a trabalhar em uma empresa, independente de seu cargo ou do tamanho e porte desta companhia, uma ideia logo começa a tomar a sua mente: as férias. O período de descanso está entre os dias mais desejados, empatando talvez com os feriados, verdadeiros sonhos de consumo dos trabalhadores de todas as faixas etárias.

Mas, apesar de tão sonhadas e desejadas (principalmente quando o cansaço físico e mental atingem níveis muito altos), algumas pessoas optam por não tirar integralmente os trinta dias de férias que a lei lhe permite, dividindo o descanso em períodos menores.

O que elas fazem com esse tempo restante, você deve estar se perguntando? Bem, alguns simplesmente dividem suas férias, tirando períodos menores de descanso. Já outros pedem os trinta dias integralmente para a empresa, mas, na hora do descanso, fazem um acordo com seus patrões, negociando alguns dias.

Como funciona o abono pecuniário

O abono pecuniário é quando um trabalhador vende parte de suas férias para a empresa. Ficou um pouco confuso?  Eu explico.

Imagine que uma pessoa tenha trinta dias de férias, mas, na prática, só vai tirar quinze. Os outros quinze ela vai vender para a empresa e, em troca, receberá um dinheiro a mais por isso, além das verbas que já deveria receber a troco das férias.

Nesses quinze dias em que ela vendeu as férias, o trabalhador desempenhará suas funções normalmente, com o diferencial de que ele recebeu o abono pecuniário.

Quem pode receber

O abono pecuniário pode ser pago a todo trabalhador que decidir vender até um terço de suas férias para a empresa. O valor é calculado sobre a remuneração a ser recebida pelas férias já acrescido de um terço, conforme definido pela legislação trabalhista.

Um ponto importante a se destacar é que o abono pecuniário não é pago no mesmo momento em que o trabalhador recebe suas verbas de férias. Esse dinheiro é dado ao trabalhador apenas quando este irá receber seu salário mensal.

Vantagens e desvantagens do abono pecuniário

A principal vantagem do abono pecuniário é, sem dúvida, financeira. O trabalhador que opta por vender parte de suas férias acaba recebendo duas vezes: uma antes de voltar a trabalhar e outra quando for remunerado por aqueles dias trabalhados, efetivamente.

Contudo, essa prática tem uma desvantagem. Ao vender parte de suas férias, o trabalhador tem seu descanso diminuído. Muitas vezes, os dias livres são tão poucos que o cansaço acaba ficando muito maior do que estava antes das férias.

Por isso, antes de decidir ou não pelo abono pecuniário, é importante que o trabalhador faça uma autoavaliação e perceba se esse excesso de trabalho não fará mal à sua saúde física e mental.

É importante ressaltar ainda que a decisão de vender ou não suas férias é unicamente do trabalhador, e nunca da empresa. O empregador pode se recusar a aceitar essa operação, pelos motivos que julgar mais adequados, mas não pode, em nenhuma situação, obrigar o empregado a não gozar integralmente suas férias.

Recomendados para você:

About doutor sabetudo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *